Tag Archives Europa

Na Grã-Bretanha, a primeira-ministra conservadora Theresa May prometeu força e estabilidade. Fracassou e a dúvida é quanto tempo ela aguenta no poder ou quando serão convocadas novas eleições após o fracasso de sua aposta de convocar os britânicos a votar na quinta-feira passada. O resultado é esta preservação por um fio dos conservadores no poder (graças ao apoio de um punhado de parlamentares de um pequeno partido da Irlanda do Norte). Que contraste com a França. No domingo, o centrista Emmanuel Macron conseguiu força e estabilidade já no primeiro turno das eleições parlamentares. As projeções são de que o seu partido, A República em Marcha, noviço como ele na arena eleitoral, saia do segundo turno no domingo que vem talvez […]

No day after à posse de Donald Trump em 20 de janeiro, um movimento que podemos chamar de Internacional Nacionalista estava em êxtase. Líderes da extrema direita europeia, capitaneados por Marine Le Pen, se reuniram em Coblença, na Alemanha, para celebrar o triunfo do companheiro Donald e prenunciar vitórias para o etnonacionalismo na sua cruzada contra o globalismo, as forças de inclusão, a tolerância e o tal do politicamente correto. A celebração era abençoada lá de Moscou por Vladimir Putin, então feliz com a vitória de Trump, na sequência do voto no referendo Brexit, que sacramentou a saída da Grã-Bretanha da União Europeia, enfraquecendo a ordem liberal global. No convescote de Coblença, Marine Le Pen bradou que “nós estamos vivendo […]

Eu não vou reinventar a roda no meio das girações políticas dos últimos tempos no Atlântico Norte. Limito-me a expressar o alívio e repetir o chavão: o centro segura. Aconteceu na quarta-feira na Holanda nas eleições em que o centrão, que foi mais para direita, conteve o avanço da maré populista, a horrorosa onda loira de Geert Wilders. O velho dique holandês funcionou e caberá agora ao primeiro-ministro conservador Mark Rutte costurar uma nova coalizão de governo. Boa sorte. Da colcha de retalhos deverão constar mais partidos de direita e haverá bordados de esquerda. Há um discurso mais duro sobre imigrantes, mas foi o preço a pagar para a construção do dique. Para mim, o essencial é que a Holanda será aconchegada […]

Annus horriblis para a União Europeia e 2017 poderá ser ainda pior para o status quo com este avanço populista que no domingo varreu do poder o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi, derrotado no referendo sobre reformas constitucionais. Existe um paradoxo neste avanço populista. É um voto contra reformas positivas na medida em que Renzi queria agilizar o processo legislativo para modernizar a Itália e torná-la mais competitiva. No voto contra o status quo italiano, existiu uma relutância por reformas. Não é ponto debater o principal motivo da da queda de Renzi. Foi ele mesmo, ao transformar o referendo sobre reformas em um sobre o seu governo. E qual é a proposta de mudanças populistas em termos mais amplos na União Europeia e […]

Esta é a foto do núcleo do poder na aliança ocidental em 2016. Sorry, já era. O poder é efêmero. Que a Angela dure.

No núcleo duro do capitalismo e da democracia liberal, 2016 é um ano ingrato, azedo, horrível, o maior desafio desde o final da Segunda Guerra Mundial com o avanço do populismo e das forças contrárias à globalização. O centro não resiste, respira com dificuldade e os temores são de que as coisas piorem em 2017. Domingo, foi a derrota do primeiro-ministro italiano Matteo Renzi no referendo a favor de reformas constitucionais. No final das contas, foi um referendo sobre o governo de centro-esquerda de Renzi, alinhado com as forças pró-globalização, enraizadas na União Europeia, alvejado por movimentos populistas de esquerda e de direita. Como se esperava, Renzi anunciou sua renúncia. A Itália entra em mais um período de instabilidade política, […]

Europa, Europa, destino da diáspora judaica, endereço do Holocausto. E de pensar que meros 70 anos depois da Segunda Guerra Mundial, o Velho Mundo apresenta tantos novos desafios ao povo judeu. Na França, é literalmente o terror para a comunidade judaica. Natural, o êxodo E quem diria, mas a Berlim, capital do nazismo, hoje é coração do ressurgimento judaico na Europa Central. Mas, vemos com alarde a revitalização de partidos nacionalistas e xenófobos em todas as partes do continente. Sim, o bode expiatório preferencial agora são os muçulmanos. Muitos destes partidos, como a Frente Nacional, da francesa Marine Le Pen, se desfizeram da vestimenta antissemita e até namoram Israel e o povo judeu (em nome do “inimigo comum”), mas sem […]

Eu espero que o durão Vladimir Putin não censure a circulação na Rússia da revista Time por não tê-lo escolhido pessoa do ano (deu o papa Francisco), mas o prêmio de consolação para ele foi ganhar o título da Forbes como o homem mais poderoso do mundo. Existe um debate mais sério se a nova presidente do Banco Central dos EUA, Janet Yellen, irá tirar de Angela Merkel o título de mulher mais poderosa do mundo. Enquanto rola esta conversa, é reconfortante ver a primeira-ministra alemã sendo um pouco mais dura com o homem mais poderoso do mundo (segundo a Forbes), expressando mais vigor do que aquele que, sem dúvida, tem a primeira posição. Preciso dar o nome? Não leio […]

Vamos ser sinceros: uma longa agonia, mas Mandela foi a crônica da morte anunciada. Na mecânica habitual do jornalismo, o obituário estava pronto, sendo atualizado. Claro que meu obituário de Fidel Castro está mofando na gaveta digital. Aliás, poucas notícias no espetáculo midiático do memorial Mandela na terça-feira, no estádio de Soweto. O presidente sul-africano Jacob Zuma foi vaiado. E como estavam lindas a Charlize Teron e a primeira-ministra dinamarquesa Helle Thorning-Schmidt, a das fotos estilo selfie com o presidente Barack Obama. Claro, antes que eu me esqueça, há também a imagem do aperto de mão entre Obama e o ditador Raúl Castro, mas nada tão histórico que mereça um segundo parágrafo. De qualquer forma, os temas desta coluna não […]

Que coisa. Não é apenas pelo Louvre que tanta gente quer ir para a Europa (hoje em dia menos atração pelas ruínas gregas). No parágrafo exemplar de Ian Traynor, no jornal The Guardian, não é frequente que a União Europeia deflagre um motim. É ainda mais raro que manifestantes armem as barricadas em apoio aos burocratas de Bruxelas. Por estes dia, é mais comum termos barricadas contra a Europa e contra a austeridade de dona Angela Merkel. A Europa de tantas utopias está mais para um reino desencantado, se arrastando na sua crise (embora tenha saído do fundo do poço), assolada por dúvidas (e dívidas) e atolada com uma geração perdida de jovens (adaptei o parágrafo do Traynor, dando minha contribuição). Mas, está aí […]

Close
SiteLock