Tag Archives Eleições EUA

Sarcasmo barato não é do meu feitio, muito menos sobre Barack Obama. O mercado do gênero está inflacionado. No entanto, quando trombei com uma manchete em um dos meus sites favoritos, The American Interest, decidi que dava para apelar para o gênero. Lá estava: Obama, o Unificador. Achei que se tratava de um texto irônico sobre relações raciais e políticas nos EUA, na sequência do massacre na igreja negra de Charleston. Nada disso. Era sobre o Oriente Médio velho de guerra. Com o lance americano de negociar um acordo nuclear com o Irã, existe a crescente e cada vez mais ansiosa aproximação entre Israel e Arábia Saudita. Obama une inimigos tradicionais (é verdade que o impulso maior é dos aiatolás […]

O Instituto Blinder & Blainder em algumas situações é salomônico. O xiita Irã e a sunita Arábia Saudita disputam a hegemonia no Oriente Médio. Ambos têm também hegemonia na violação dos direitos humanos. Na coluna de quarta-feira, eu denunciei a Justiça da revolução xiita que pode condenar a até 20 anos de prisão o jornalista Jason Rezaian, em uma farsa judicial na qual ele é acusado de espionagem para os EUA. Hoje é dia de denunciar o atroz sistema judicial do fundamentalismo islâmico saudita. O blogueiro saudita Raif Badawi já é cadeira cativa na coluna. Foi condenado a mil chibatadas e a 10 anos de prisão pelo crime de livre pensar. Sua mulher Ensaf Haidar, que vive com os três […]

A barbárie jihadista praticada por grupos como Estado Islâmico, Shabab e Boko Haram ganha manchetes. É a barbárie do islamismo político em ação. Nunca, porém, podemos esquecer da barbárie institucional do islamismo político praticada por países como Arábia Saudita e Irã. O confronto entre sunitas e xiitas exige análises cerebrais e rabiscos estratégicos como as que eu tenho me aventurado a fazer. Não quero, porém, relegar a dimensão meramente humana no cenário desolador e não falo apenas da tragédia em larga escala em zonas de guerra como no Siraque ou agora no Iêmen. Eu falo da tragédia individual. Já escrevi sobre o saudita Raif Badawi. Quero martelar no assunto, dar mais uma chibatada. Asilada no Canadá, Ensaf Haidar acaba de publicar um […]

Em janeiro, Barack Obama, o dirigente mais poderoso do mundo, encurtou uma visita solene à Índia, um poderoso emergente, e não se furtou ao salamaleque e apareceu em Riad para saudar o novo novo rei saudita, Salman. O poderoso aliado americano no Oriente Médio tomou nota do salamaleque e retribuiu da seguinte maneira, conforme os rabiscos do New York Times: enquanto os EUA negociam freneticamente com o Irã para costurar um acordo nuclear, os sunitas sauditas minam como podem os xiitas de Teerã e os americanos, por romperem o status quo de suas alianças regionais. O reino saudita lidera os ataques aéreos contra uma facção rebelde no Iêmen,  um pobre país em processo de desintegração; respaldam jihadistas em uma ofensiva […]

Um dos meus gurus, Walter Russell Mead, observa que para os sauditas o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu  estava certo ao alertar no Congresso americano esta semana contra o acordo nuclear sendo negociado por poderes mundiais, a destacar os EUA, e o regime xiita do Irã. Mead é meu guru, embora seja muito conservador para o meu gosto e excessivamente crítico da política externa de Washington. No entanto, levo muito em consideração suas avaliações. Ele diz que o reino sunita cheio de petróleo hoje considera o regime de Teerã um rival mais ameaçador do que Israel e não esconde sua fúria com os rumos da política externa americana. Se existe uma aliança de conveniência entre os EUA e Irã, em particular no combate […]

Era uma vez uma campanha eleitoral em que um candidato prometia mundos e fundos, embora estivesse privado especialmente do segundo ponto. Nos comícios, era um ataque sem tréguas contra o concorrente, tratado como um vendedor dos interesses da pátria e vassalo dos bancos. O tom da mensagem era de no passarán. Nada da austeridade que causa tanto sofrimento ao povo. O papel do governo é garantir  os benefícios sociais e manter o estado inchado. O candidato vence as eleições, assume o poder e no meio do caminho existe uma intervenção (não estatal), mas da realidade. Claro que já cantei a bola e todos sabem que estou falando do primeiro-ministro grego Alexis Tsipras, do partido de extrema-esquerda Syriza, e não da nossa […]

A vitória da extrema esquerda grega, o partido Syriza nas eleições de domingo, não foi a única derrrota por estes dias de Angela Merkel, a primeira-ministra alemã, âncora da Europa e frau Austeridade. Na semana passada, ela sofreu outra derrota, no golpe desferido por outra âncora da Europa, o italiano Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu (BCE). Angela Merkel e outros companheiros mais afluentes na zona do euro (como os finlandeses) até agora prevaleceram para impor um receituário de austeridade e de reformas estruturais para combater a longa crise europeia e reerguer a economia, mas agora é este contraataque a favor de relaxamento dos cintos fiscais e da expansão monetária (o BCE vai irrigar o sistema financeiro imprimindo mais […]

Sim, Barack Obama irá encurtar uma viagem histórica e estratégica à Índia para um salamaleque agora na terça-feira na estratégica aliada dos EUA, a Arábia Saudita, que, com a morte do rei Abdullah, de 90 anos, na sexta-feira, agora é governada pelo garotão Salman, de 79 anos. Na expressão do sóbrio Ross Douthat, um dos dois colunistas conservadores de plantão no New York Times, os americanos estão algemados a este aliado cruel. Ok, figura de expressão, mas literalmente, como mostram as duas fotos aqui na coluneta, eles se curvam ao déspota do deserto. A Arábia Saudita é número um no planeta na exportação de petróleo e na degola de criminosos. Não gosto de gastar letras com indignação óbvia. Em todo […]

Em meio às tempestades no Oriente Médio e no mercado global de petróleo, não devemos esperar turbulências imediatas com a esperada morte do rei Abdullah, da Arábia Saudita, aos 90 anos. Ocorreu a programada troca de guarda em Riad com o meio-irmão, o príncipe Salman, declarado rei. Mais do mesmo. Na avaliação do Wall Street Journal, até mais conservador. Salman será outro baluarte no deserto contra a democracia e movimentos islamistas como Al Qaeda, Estado Islâmico e Irmandade Muçulmana, mas tocando algumas tímidas reformas sociais. No entanto, em termos fundamentais, a Arábia Saudita é isso: um pilar do fundamentalismo islâmico sunita (no país também é praticada a degola de prisioneiros, adotada com sofreguidão pelo Estado Islâmico no Siraque), um pilar de […]

Na mesma sexta-feira passada em que quatro judeus foram executados pelo terrorista islâmico Amedi Coulibaly em Paris, um muçulmano era punido em Jeddah, na Arábia Saudita. O blogueiro liberal Raif Badawi (liberal para os padrões sauditas) recebia as primeiras 50 chibatadas das mil de sua punição por “insultar o islamismo”, no espetáculo diante do centenas de fiéis fora da mesquita. No ritual cruel, estão programadas 50 chibatadas a cada sexta-feira, além de 10 anos de prisão. Badawi apenas escapará de nova prestação de chibatadas se o médico concluir que ele não está em condições físicas para a flagelação devido aos ferimentos sofridos na primeira prestação. Atualização às 11:53: A organização Anistia Internacional informou que as chibatadas desta sexta-feira foram adiadas […]

Close
SiteLock