O povo polonês sofreu no século 20 sob o nazismo e o comunismo. No entanto, o que temos nos dias de hoje é o investimento em uma narrativa de vitimização por um estridente governo nacionalista que alimenta sentimentos antissemitas e xenofóbicos de amplos setores da população. O processo culminou na lei que criminaliza quem sugere cumplicidade polonesa no Holocausto.

O atual governo quer promover heroísmo e sofrimento da nação, falsificando a história. Como em tantos países ocupados pelos nazistas houve abnegação para salvar judeus e outros perseguidos, assim como a vilania do colaboracionismo com os algozes.

Na Segunda Guerra, não havia um governo colaboracionista na Polônia, como na França ou Noruega. E obviamente os campos de extermínio eram nazistas. Com a transparência habitual da Alemanha moderna, o ministro das Relações Exteriores, Gabriel Sigmar, tuitou na semana passada que seu país sozinho carrega o fardo da responsabilidade pelo Holocausto.

Esta não é discussão. A legislação em Varsóvia busca abafar o debate sobre a cumplicidade de poloneses na perseguição de cidadãos de origem judaica. Metade dos seis milhões de poloneses que morreram na Segunda Guerra eram judeus (90% deles foram dizimados). Por alguns cálculos, 200 mil judeus foram mortos por seus compatriotas poloneses durante a guerra.

O historiador polonês Jan Gross (professor emérito na Universidade de Princeton) expressa o temor de que sobreviventes do Holocausto agora sejam processados. Num texto no jornal Financial Times, Gross escreveu ter lido” centenas de testemunhos de sobreviventes e não se lembra de nenhum em que não haja a descrição de um episódio de traição, chantagem ou denúncia da parte de cidadãos poloneses”.

Em 2001, Gross publicou o livro Neighbors (Vizinhos), sobre o pogrom de julho de 1941. Metade da cidade de Jedwabne matou a outra metade, 1.600 homens, mulheres e crianças, muitos trancados e queimados em um celeiro. Outros mortos a machadadas e a picaretadas.

Eram os judeus da cidade. Apenas 7 sobreviveram, resgatados por uma família polonesa. Este “pequeno” Holocausto aconteceu quando o Exército alemão acabara de ocupar a Polônia, mas não houve pressão sobre a população de Jedwabne fazer o que fez. Gross contou a verdade. Na falsificação da história, depois da guerra, autoridades comunistas colocaram uma placa com a seguinte frase: “Local de um massacre de judeus. Soldados nazistas e a Gestapo queimaram 1.600 judeus”.

Em 2018, a falsificação da história faz parte de um projeto de legalização do autoritarismo pelo Partido Lei e Justiça, sem escrúpulos para alimentar os piores instintos populares para se consolidar no poder.

Deixe um comentário

44 Comentários em "Na Polônia, a falsificação da história"

avatar
Ordenar por:   novos | antigos
Ivan
Visitante

Quase toda a família por parte da avó de meu genro foi dizimada nos campos de extermínios na Polônia. Peço desculpas por minha leitura apressada da notícia. Sim. São campos nazistas mas houve colaboracionismo. FIM.

Ivan
Visitante
E a avó de meu genro era uma pessoa gentilíssima, de alma elevada, realmente boníssima e que fez questão de preservar a cidadania alemã e a fluência na língua germânica. Sempre considerou que o nazismo foi uma tragédia mas que não refletia, a não ser num episódio negro, a história… Leia mais >>
Guga
Visitante
Desculpe Caio,mas a Polonia foi invadida em 1939,a matança em Jedwabe ocorreu em 1941,2 anos de governo nazista,que segundo me consta,tinha imposto uma lei que vizinhos que acobertassem judeus seriam punidos. Uma cidade com 3200 habitantes os quais aparentemente viviam harmoniosamente antes da invasão nazista,fica um tanto dificil de imaginar,apesar… Leia mais >>
Marcio
Visitante

A cidade tinha acabada de ser ocupada quando alguns dos poloneses comecaram a amatar judeus. Nao foram os nazistas que mandaram neste caso. Alem de que eles nao “simplesmente” matavam com tiro, eram mortes horriveis .

Garcia
Visitante
Guga, A lei surgiu talvez porque os polacos estejam de saco cheio de ouvir o termo “campos de concentração polonês”, propositadamente e frequentemente pela mídia alemã. Propositadamente porque acontece frequentemente. Para se ter uma ideia, o termo “campo de concentração polonês” apareceu na imprensa 636 vezes entre 2009 e 2015!… Leia mais >>
Guga
Visitante

Bem explicado Garcia.

Rony
Visitante

Realmente voce tem que pesquisar mais.

Marcio
Visitante

Caio
tudo correto.
Como em toda europa, e no mundo , muitos aproveitaram a onda do nazismo para extravasar o odio aos judeus. Polonoses ruins nao foram excecao.
Mas continuo achando que tem muito pior por ai que essas leis. E o pior e’ bem maiis perigoso!

Renato
Visitante
Acho que este assunto é de profundo conhecimento do blogueiro. Como cristão, me solidarizo com o que informa. Como observador, penso que uma Nação não deva ter dificuldades em reconhecer que alguns maus poloneses foram colaboradores. Aliás, até Getúlio Vargas e alguns brasileiros colaboraram, haja vista Olga Benario. Seja dito… Leia mais >>
Robson La Luna di Cola
Visitante

A Europa já chegou lá. Graças à Angela Ternura Merkel e à UE.
Berlusconi pretende deportar da Itália 600 mil imigrantes irregulares
https://oglobo.globo.com/mundo/berlusconi-pretende-deportar-da-italia-600-mil-imigrantes-irregulares-22365876
Se os moderados não fazem aquilo que tem que ser feito, de forma civilizada, os radicais virão para fazer, na porrada! Aprendam!

Vera Lucia
Visitante
O massacre aconteceu, sim. As autoridades comunistas chegaram a realizar um julgamento, em 1949, e condenaram vinte pessoas, que foram libertadas mais tarde porque prevaleceu a crença de que foram os nazistas que mataram metade da cidade. Mas Jedwabne não é um fato isolado, e mesmo após a guerra os… Leia mais >>
Garcia
Visitante
“Estão falsificando a história como parte de um projeto de legalização do autoritarismo pelo Partido Lei e Justiça, sem escrúpulos para alimentar os piores instintos populares para se consolidar no poder”. BULLSHIT! O objetivo da lei é pra criminalizar o uso das expressões “campo da morte polonesa” e “campo de… Leia mais >>
Novocredo
Visitante

muita informação importante para entender o caso. não se todas as fontes são confiáveis.

Novocredo
Visitante
A Polônia foi o país que mais sofreu na guerra. Ocupada pelos nazistas e pelos soviéticos. Sofreu depois da guerra, nas garras do Irmão Urso. Mas isto não justifica os crimes cometidos, que aqui foram relatados. As tentativas de governos, sejam de esquerda ou direita, de reescrever a história e… Leia mais >>
Filhos de Marco Antonio Villa
Visitante
Estava lendo seu blog e de repente deparo repetidamente com o termo “bandoleiros”, algo que denota trumpismo enrustido e xenofobia. O blogueiro rejeita outras formas de vida que não a capitalista brasileira atual, vide apoio a políticas genocidas de assentamentos em todo mundo inclusive em países como Ucrânia, Síria e… Leia mais >>
Filhos de Marco Antonio Villa
Visitante

Nem parece que estamos falando de holocausto, já leu o livro “O holocausto brasileiro”?

Filhos de Marco Antonio Villa
Visitante
Já que é pra debater direitos humanos aqui, existem 3 livros muito bons do Todorov: LOS ABUSOS DE LA MEMORIA. (Barcelona: Paidós, 2000), Memória do mal, tentação do bem. (São Paulo, Editora. Arx, 2002) e Em face do extremo. (Tradução de Egon de Oliveira Rangel e Enid Abreu Dobránszky. Campinas,… Leia mais >>
Filhos de Marco Antonio Villa
Visitante

E eu acho uma hipocrisia criticar Saddam e a pátria de Rosa Luxemburgo como “nazista” e não criticar Papa Doc, os coronéis do nordeste e norte brasileiros além do Barrientos e da oposição cubana que recorreram a nazistas para fazer atentados nos Estados Unidos contra o Letelier

Filhos de Marco Antonio Villa
Visitante

Hobsbawn falava que o nacionalismo foi uma invenção , esse lance de etnia não é relevante. A pátria da Rosa Luxemburgo não era a Polônia nem a Alemanha, era o mundo, parem de rotular os heróis da Europa. Quando vão falar do Orlando Letelier e de seu assassinato nazista?

Filhos de Marco Antonio Villa
Visitante

Tá com medo de debater sobre o “nacionalismo” polonês. E sobre seu silêncio em relação as vítimas de terrorismo nazi na embaixada nos Estados Unidos em 21 de setembro de 1976?

Filhos de Marco Antonio Villa
Visitante

Agora vi que meu comentário apareceu, perdão

Pedro Tenvia
Visitante
Polônia, coitada foi uma das maiores vitimas deste evento, primeiro os nazistas e comunistas fizeram um acordo para como direi, repartir a Polônia entre eles, assim a França e a Inglaterra, declaram guerra apenas aos nazistas e nem um pio em relação a Stalin, depois Stalin resolve exterminar a elite… Leia mais >>
Guga
Visitante
Politica inimigo do meu inimigo é meu amigo,o problema que o amigo transformou-se no maior inimigo,ate os dias de hoje. Patton: “I have no particular desire to understand them except to ascertain how much lead or iron it takes to kill them… …the Russian has no regard for human life… Leia mais >>
Guga
Visitante
Berlin also was given to Stalin’s Army as red meat to feed the dictator’s appetite for killing Germans. To some, including Patton, this was an unnecessary and devastating concession. In late April 1945, Patton claimed he could take Berlin in just “two days,” an assessment shared by the commander of… Leia mais >>
Pedro Tenvia
Visitante
O holocausto existiu sim, jamais deve ser esquecido, assim como o holodomor, massacre dos tutsis, dos cambodjanos, etc. etc., o que me entristece é que os historiadores sempre tiveram todo o cuidado de varrer para debaixo do tapete todos os crimes que os comunistas praticaram e eu tive que pesquisar… Leia mais >>
Guga
Visitante
Caio,a intenção nao era fugir e nem revisar o Holocausto. Nao concordo com a lei como tambem nao concordo que chamem os campos de concentração de poloneses. Se não devemos esquecer o holocausto,tambem nao podemos ensinar jovens dizendo que poloneses foram responsaveis,quando tantos morreram e lutaram. Acho que seu receio… Leia mais >>
Guga
Visitante

Pedro,essa da escola foi boa,ahahahahahhaha

Pedro Tenvia
Visitante

Pelo jeito na minha escola se aprendeu boa educação, na sua isto ocorreu?

Marcio
Visitante
Parece que os poloneses que foram ruins, definiram, e continuam a definir, os poloneses no geral. Curiosamente quando alguem fala que os islamicos ruins definem os islamicos bons, chamam logo de islamofobia. E’ possivel argumentar, “mas isto e’ algo que o governo polones esta fazendo” , mas muitos governos islamicos… Leia mais >>
Robson La Luna di Cola
Visitante

Quando um Católico – como a maioria dos Poloneses – pratica uma atrocidade, está transgredindo um dos 10 Mandamentos. Quando um muçulmano mata ou escraviza um infiel, está simplesmente cumprindo as regras de seu livro sagrado…
Como nos velhos tempos: publicado com fins educacionais, Caio

Robson La Luna di Cola
Visitante

Estou educando os leitores desta página. Contando a VERDADE, A REALIDADE do mundo.

José do Norte
Visitante
Não consegui entender o feito do governo polonês como “falsificação da história”. Sim, houve poloneses que cometeram atos terríveis, mas pessoas, não o Estado Polonês – até onde sei, o que termina por esvaziar a alegativa de que os poloneses (agentes de estado) caçavam judeus. Caio, o que ocorreu foi… Leia mais >>
wpDiscuz
Close
SiteLock