Ilustração é cortesia do tuiteiro @RaUL_AMDERLAINE

E assim caminha (ou tropeça rumo ao abismo) a humanidade. Em menos de 48 horas no ano de 2018 começou a ser travada a guerra dos botões, também conhecida como guerra dos pintos ou guerra fálica. Kim Jong-un anunciou ter o botão nuclear na sua mesa todo o tempo. Donald Trump, sempre obcecado com o tamanho da cabeça, tronco e membros, tuitou de forma fulminante, como um garoto de dez anos: o meu botão é maior e mais potente do que o seu.

Um charuto pode ser apenas um charuto. Esperemos que um tuíte seja apenas um tuíte. Deixando de lado a guerra fálica, é duro acreditar que um duelo nuclear tenha estes dois sujeitos aloprados como pistoleiros. Sempre existe a esperança de método na loucura da parte destes dois membros imprevisíveis da comunidade internacional. As bravatas seriam táticas de negociação.

Sabemos pouco sobre o que se passa no reino de Kim Jong-un, mas as informações sobre Donald I são as de que ele está mais propenso do que se imagina a botar para quebrar na crise nuclear norte-coreana. Danem-se os pruridos sul-coreanos. Seul, aliás, é alvo de piscadelas diplomáticas de Kim Jong-un, empenhado em afastar a Coreia do Sul dos EUA.

E para arrematar, uma informação técnica sobre a guerra fálica. Na verdade, Trump não tem um físico botão nuclear (botão serve para tuitar ou pedir Diet Coke). O processo de lançamento de um ataque nuclear é secreto e complexo. Envolve o uso da “football” nuclear, a maleta carregada por um grupo rotativo de oficiais militares em qualquer lugar onde o presidente esteja, equipada com ferramentas de comunicação e os planos de guerra.

Se o presidente ordenar um ataque, ele precisa antes se identificar a oficiais no Pentágono, de posse dos códigos. Estes códigos estão gravados em um cartão laminado conhecido como “biscoito”, que está todo o tempo com o presidente americano. A partir daí, o presidente transmite a ordem de lançamento para o Pentágono e o Comando Estratégico, localizado na base da Força Aérea de Offutt, no estado de Nebraska.

Os EUA possuem 800 ogivas nucleares à disposição para uso em questão de minutos após uma ordem de lançamento. Cerca de 400 são mísseis balísticos intercontinentais baseados em terra. O restante pode ser disparado de submarinos.

Existe um protocolo, ou seja, etapas. Não basta um rompante do Mr. Presidente. No entanto, nestas horas de disputas sobre quem tem o pinto maior cresce a inquietação sobre o estado mental de Donald Trump. Na democracia americana existe a vigésima-quinta emenda. Na ditadura norte-coreana, Kim Jong-un.

 

Deixe um comentário

20 Comentários em "A superimpotência nuclear x o anão atômico"

avatar
Ordenar por:   novos | antigos
Queiroz
Visitante
O que ocorre em realidade é a rendição da Coreia do Norte, após a demonstração explícita de força americana, estacionando 3 porta-aviões, e mais de 250 aviões em treinamento. Kim tenta entrar nas negociações como se fosse um vencedor, quando na verdade está sendo obrigado pela China, que se sente… Leia mais >>
Robson La Luna di Cola
Visitante
É claro que o governo Chinês já deve ter dito ao Trump, de forma reservada, o que fará caso os EUA realizem um ataque na Coréia do Norte. E como reagirá caso a Coréia do Norte ataque os EUA. No fundo, já está tudo decidido. Mas as encenações precisam continuar.… Leia mais >>
Rodolfo Cavalcanti
Visitante
Caio, Acredito que se Trump em um (mais que possível) rompante vier a dar a ordem de ataque nuclear ou coisa do tipo, esta jamais seja cumprida pelos oficiais generais. Um presidente pode muito, mas não pode tudo. Uma eventual atitude ou rompante trescloucado pode, na prática, permitir que seja… Leia mais >>
Rony
Visitante

o que acontece se o presidente estiver na rua e esquecer o biscoito em casa?
Em 2010, um assessor do Clinton perdeu o biscoito, fazem copias hehehe abs, Caio

Guga
Visitante
Correção Caro Caio,o biscoito fica com o Presidente nao com assessor.Clinton nao comunicou a perda durante varios dias,provavelmente corria atras de outros assuntos mais ´´potentes´´. Se Trump quisesse ja teria disparado,nada o impede,a ordem é exclusiva do Presidente,nao ha necessidade de passar pelo congresso ou senado e nem da tempo… Leia mais >>
Guga
Visitante

Só lembrando que a crise com a Coreia do Norte nao difere muito da crise dos misseis em Cuba,onde o ´´lendario´´ JFK teve que ir ate as ultimas para obter o resultado esperado.Cogitam ate um bloqueio maritimo para que as sanções sejam cumpridas.

Inegavel que Trump esta pegando pesado,como deve ser.

Robson La Luna di Cola
Visitante

Só que o JFK acabou assassinado. E o autor dos disparos, tinha ligações com a URSS.

José do Norte
Visitante

“perdeu”? isso vale ouro nas agências de espionagem.

Guga
Visitante

´´Encontraram´´ no vestido da estagiaria,eheheheheh.

José do Norte
Visitante

Quanta pixação.

Caio, você é bem melhor que o Diário do Centro do Mundo versão antitrump.

nei fernandes
Visitante
Só há uma coisa a ser feita com essas ogivas nucleares, como a conversa tuitou com a obscenidade – é enfiá-las, desculpe, usá-las como supositório geopolítico. O governo americano nunca irá responder, reagir ,usar armas atômica again, hellooooo! Não poderão, a massa crítica ( E grandeza) da América é maior… Leia mais >>
Carlos Dias
Visitante

Se a Coreia do Norte usar armas nucleares antes, os EUA usarão armas nucleares em resposta. Obviamente que o regime norte-coreano nunca dará esse primeiro disparo, porque quer perseverar. Iniciar uma guerra nuclear seria seu fim.

Novocredo
Visitante

Parecem dois guris discutindo quem tem o maior

Marcio
Visitante

Infelizment nao vou conseguir “unsee’ esses desenhos.
coissa horrivel! eca!

Rony
Visitante

e esse livro aih caio, o que ta achando?
meu próximo texto, abs, Caio

Guga
Visitante

Vai vender mais que da Hillary,até nisso as direitas são mais competentes.

Carmem
Visitante

Do forninho, na mosca!
comment image

Robson La Luna di Cola
Visitante

Acabei de ler em um site conservador, que o Trump é MAIS UM indício da decadência da nação americana.

Rodolfo Cavalcanti
Visitante

Correto. Na verdade, acho que o que Trumo faz nada mais é do que acelerar (e muito) a irrefreável decadência da nação americana.

wpDiscuz
Close
SiteLock